O país, conhecido como “terra do fogo e gelo”, possui imensas quedas d’água que são rodeadas por paisagens deslumbrantes. Antes de embarcar para lá, saiba um pouco sobre cada uma delas.

Entre geleiras e vulcões, a Islândia possui imensas cachoeiras (são muitas) que merecem (e devem) ser visitadas em suas localizações inóspitas. Rodeadas por paisagens de tirar o fôlego, entre planícies verdejantes, praticamente todas as quedas d’água do país são de fácil acesso e oferecem estacionamento e entrada gratuitos. Outra informação relevante é que as águas dessas cachoeiras são as mais límpidas do mundo, inclusive, totalmente potáveis. 

O texto a seguir destaca sete cachoeiras da Islândia, ou “foss” em islandês, que são dignas de todo e qualquer roteiro e provam que viajar para essa ilha é encontrar o extraordinário!

1. Gullfoss

A cachoeira mais famosa da Islândia, a Gullfoss (cachoeira dourada), mantém há anos o título de mais bela do país, embora todas as outras não deixem nada a desejar. Ela é a mais próxima da capital Reykjavík, há apenas duas horas, e faz parte do Círculo Dourado – a rota turística mais famosa do país.

Essa cachoeira possui uma excelente estrutura, bem como um enorme estacionamento e uma loja de conveniência. Para chegar lá, basta percorrer as trilhas demarcadas e seguir as instruções sobre não sair das passarelas, que levam o visitante para bem perto das quedas d’água, revelando toda a magnitude do lugar.

2. Seljalandsfoss

A Seljalandsfoss é uma das cachoeiras mais altas da Islândia, com 63 m de altura, e fica na rota sul – um pouco mais distante da capital. Ela é conhecida como a cachoeira mais “Instagramável” do mundo, ou seja, a mais fotografada, e certamente você já viu fotos em alguma rede social.

O motivo para tantas imagens é que a queda d’água cai do paredão em negativo, formando uma caverna, onde é possível caminhar e atravessar de um lado para o outro. Garantia de fotos incríveis!

3. Skógafoss

Queridinha das produtoras hollywoodianas, a Skógafoss é a cachoeira que mais apareceu em filmes e séries. Entre os filmes mais conhecidos estão “A Vida Secreta de Walter Mitty” e “Thor”, já as séries com maior visibilidade são “Vikings” e “Game of Thrones”.

Na rota turística da Ring Road, Skógafoss é uma das mais famosas da região e uma das mais bonitas também. Para chegar lá de carro, basta estacionar e caminhar por uns 100 metros, quando já é possível se molhar com o um forte spray d’água, graças aos 25 metros de largura da cachoeira.

Ao lado da Skógafoss há uma escadaria enorme que leva até a posição mais alta da queda d’água, mas é na parte de baixo que se pode ter mais noção da sua dimensão e força. No caminho, o viajante é contemplado por um brinde: o Vulcão Eyjafjallajökull, que fechou o espaço aéreo da Europa após uma erupção. Vale dar uma parada!

4. Svartifoss

A Svartifoss é um dos cartões postais da Islândia, principalmente no inverno, quando sua parede, formada por basalto, fica coberta por pequenas esculturas de gelo. Ela está localizada dentro do Parque Nacional Skaftafell e, para chegar lá, é necessário passar por uma trilha que começa logo no estacionamento do centro de visitantes. É importante pegar um mapa e seguir as placas, porém a caminhada não oferece grandes dificuldades e a todo o momento impressiona os viajantes com suas paisagens paradisíacas.

5. Godafoss

A meio caminho entre Akurevri e o Lago Mývatn, Godafoss é um dos pontos mais visitados no norte da Islândia. É uma incrível cascata de doze metros de altura e trinta de largura, pela qual as águas do rio Skjálfandafjót caem furiosamente numa incrível paisagem vulcânica.

Essa cachoeira é conhecida por todos os islandeses como a “cascata dos deuses”. A origem desse curioso apelido deve-se a um dos fatos mais importantes da história da Islândia: a sua cristianização no ano 1000 d.C. Segundo reza a lenda, Alpingi de Thingvelli (um dos principais governantes da época) atirou às águas de Godafoss todos os seus ídolos pagãos, trocando os deuses vikings pelo Deus Cristão.

6. Hraunfossar

Essa cachoeira de águas prateadas se origina em Langjökull – segunda maior geleira da Islândia, com uma superfície de 953 km 2 . Para se ter uma ideia da sua força, da geleira até a queda, suas águas percorrem em média 17 km. A Hraunfossar constitui-se de mais de 100 cascatas espalhadas ao longo de 900 m de extensão e deságua no rio Hvitá, que quer dizer “rio branco”, por conta da sua cor prateada, devido às areias vindas da geleira.

7. Kirkjufellsfoss

Localizada no monte de Kirkjufell, na península de Snaefellsnes, no oeste da Islândia, a Kirkjufellsfoss é uma pequena, mas charmosa, cachoeira que está entre as preferidas dos fotógrafos. Isso graças ao cenário que abriga essa queda d’água, cuja perfeição vem da total harmonia entre as águas claras da cachoeira, as montanhas no entorno e o belo visual em tons esverdeados da natureza.